top of page
Buscar
  • Foto do escritorVivianne Geber

Missão: Combate a Incêndio

Atualizado: 8 de set. de 2018

Não tem muito tempo que eu falei, em “Memórias Militares”, da importância da preservação da história, de como é fundamental conservar objetos, documentos e registros dos acontecimentos, do Espaço Cultural da Marinha e dos nossos museus flutuantes, como o Submarino Riachuelo e o Contratorpedeiro Bauru.

Hoje, depois do incêndio que destruiu o Museu Nacional no Rio de Janeiro, pergunto o porquê de tanto descaso e negligência com um assunto que é primordial para nossas vidas.

Abandono, desleixo, material inflamável, falta de água, tudo isso contribuiu para o desaparecimento do maior museu de história natural do Brasil.

É óbvio que para que uma tragédia como essa não aconteça, é preciso salvaguarda e cuidado, motes incrustados nos preceitos das Forças Armadas.

Curso de CBINC (Combate a Incêndio) do Curso de Formação de Oficiais

A Marinha, por exemplo, conta com várias normas e procedimentos para prevenção, proteção e segurança contra incêndio, tanto nas organizações militares terrestres como nos navios.

Cada organização militar possui um plano de prevenção e combate a incêndio elaborado por engenheiros, além de pessoal capacitado pronto para colaborar com o Corpo de Bombeiros.

Já um incêndio a bordo de um navio de guerra será combatido pela própria tripulação — não tem como chamar os Bombeiros no meio do mar. Para isso, são observados, rigorosamente, os procedimentos operativos e as publicações do Centro de Adestramento de Almirante Marques de Leão, o famoso “Camaleão”, que é responsável pela doutrina de combate a incêndio na Marinha há mais de 50 anos. Manuais de controle de avarias estruturais, eletrônicas e elétricas; de combate a incêndio; e de estabilidade, para citar alguns. É muito estudo, periódicos treinamentos, no próprio navio e no Camaleão, e intenso preparo.

Há também as inspeções que verificam, constantemente, as condições do material e de adestramento do pessoal, como as inspeções administrativo-militar e operativa, esta última nos navios, conduzida por uma Comissão de Inspeção e Assessoria de Adestramento, a temida CIAsA.

Não pense que é muita coisa. É responsabilidade e zelo com as pessoas e com os nossos bens, que são públicos.

Como era o Museu Nacional.

Por Paulo Roberto C M Jr (imagem da internet)


257 visualizações2 comentários

2 Comments


Andréa Gonzales NeNa
Andréa Gonzales NeNa
Sep 07, 2018

Realmente, tudo que é de responsabilidade dos militares cuidamos e sabemos dar valor 👏👏👏👏

Like

fcmm2004
Sep 06, 2018

Esse seu post veio em hora apropriada. Todos fazemos curso de combate a incêndio e enfrentamos situação do fogo vir até debaixo. Exercícios de combate à incêndio são feitos com regularidade. Toda a tripulação tem que estar adestrados pois não se pode permitir que um incêndio tome conta de um navio pois no mar não se tem para onde fugir.

Excelente

Like
bottom of page